O Grupo Nossa Equipe Estrutura Produção Científica Projetos Teses e Dissertações TCC Artigos Notícias Eventos Vídeos Downloads Links Contato

2017. DEFICIÊNCIA HÍDRICA EM GENÓTIPOS DE AMENDOIM


Teses e Dissertações

Autor(es): Willians César Carrega

Data: 2017

 

Orientador: Pedro Luis da Costa Aguiar Alves

 

Palavras-chave: Arachis hypogaea L.; estresse hídrico; seca; eficiência no uso da água; eficiência no uso da radiação; rendimento.


Resumo:

No cultivo do amendoim, as plantas estão sujeitas a vários estresses, sejam de natureza biótica ou abiótica. Entre os principais fatores abióticos, a deficiência hídrica é considerada um dos maiores entraves durante o processo produtivo. Diante disso, a compreensão dos mecanismos adaptativos utilizados pelas plantas para tolerar a deficiência hídrica é de suma importância para a tomada de decisão durante a implantação de um sistema de cultivo. Como a cultura do amendoim apresenta determinada tolerância ao estresse hídrico, é necessário saber quais mecanismos estão envolvidos no processo adaptativo dessas plantas, visando selecionar genótipos com maior tolerância a seca e de posse dessas informações, expandir o cultivo para regiões com menor disponibilidade hídrica, bem como fornecer subsídios para o aumento da sua produção nacional. Dessa forma, o presente trabalho teve como objetivo geral, avaliar as respostas de genótipos de amendoim submetidos a condições hídricas. Foram desenvolvidos dois estudos na FCAV/UNESP e dois no INTA, Argentina. Nos estudos realizados na FCAV, objetivou-se (i) avaliar a qualidade fisiológica de sementes de genótipos de amendoim submetidos a deficiência hídrica. Com base nos resultados desse trabalho, concluiu-se que as linhagens ‘506’, ‘599’ e ‘870’ e o cultivar IAC Tatu-ST são os mais tolerantes a deficiência hídrica; (ii) analisar as alterações anatomo-fisiológico de genótipos de amendoim submetidos a deficiência hídrica. Nesse trabalho, verificou-se que para o comportamento anatomo-fisiológico dos genótipos, as linhagens ‘573’ e ‘870’ são as mais tolerantes às condições de deficiência hídrica. Para os trabalhos realizados no INTA, objetivou-se (i) determinar a eficiência no uso da água e da radiação de cultivares com hábitos de crescimento contrastantes (ereto e rasteiro), submetidos a condições hídricas em dois espaçamentos entre linhas. Nesse trabalho, concluiu-se que ocorreu a diminuição da eficiência no uso da água apenas para o cv. ASEM 484 INTA. Para ambos cultivares (ASEM 484 INTA e Blanco Santa Fe), constatou-se que a deficiência hídrica reduz a eficiência no uso da radiação e também verificou-se que o espaçamentos 52 cm entre linhas apresenta maior eficiência no uso da radiação; (ii) avaliar os efeitos da impedância e disponibilidade hídrica na viabilidade dos ginóforos em cultivares de amendoim com hábitos de crescimento contrastantes. Concluiu-se que a deficiência hídrica e os períodos de impedância promovem perdas acentuadas e proporcionais na viabilidade dos ginóforos de amendoim nos cultivares rasteiros, sendo esses, menos afetados pelos períodos de impedância sob deficiência hídrica; (iii) determinar os efeitos da temperatura do solo em combinação com a disponibilidade hídrica sob períodos de impedância visando avaliar a viabilidade dos ginóforos e a fixação de vagens. Para esse trabalho, constatou-se que a deficiência hídrica ou o estresse térmico reduzem a viabilidade dos ginóforos, cujo efeito acentua-se na combinação dos dois fatores. Vale ressaltar que esses estudos são preliminares e há a necessidade de novos estudos, principalmente relacionados a Eficiência no uso da água e da radiação para os genótipos nacionais.


Arquivo:

2017_08_2192949.pdf



Desenvolvido por Daksa